logo
FARÓIS      EDUCACIONAL    CONTATO

HISTÓRIA

Os faróis são tão antigos como a própria arte de navegar. Desde tempos imemoriais, os homens do mar se orientavam à noite pelos astros e por fogueiras enormes instaladas à princípio nas praias. Com o tempo, esses fogos galgaram promontórios e ganharam torres de sustentação construídas de madeira ou alvenaria. Uma dessas construções se tornou um marco na própria história da humanidade.

O faraó Ptolomeu Soter encomendou ao arquiteto Sostratus, de Cnido (atual Tekir na Turquia), uma torre para orientar a entrada do porto de Alexandria, no Egito, cidade fundada por Alexandre o Grande e que em breve se transformou num pólo comercial e cultural de grande importância. A baixa linha da costa, desprovida de qualquer referência visual, oferecia grandes riscos aos navegantes. Na figura acima, a provável aparência do farol, que também é considerado uma das 7 maravilhas do mundo antigo.

A impressionante torre de aproximadamente 135 metros de altura (jamais existiu outro farol desse tamanho - o farol mais alto do mundo hoje tem 133 metros e fica em Jeddah, na Arábia Saudita) toda revestida de mármore branco foi inaugurada no reinado de Ptolomeu Filadelfo, por volta de 274 AC. Segundo relatos, espelhos faziam com que sua luz pudesse ser vista à 50 km de distância.

Não se sabe ao certo o tipo de combustível usado para produzir a luz, uma vez que a madeira (usada por séculos em outros faróis) era escassa no Egito. O imponente edifício ainda incorporava cisternas, escolas, templos e observatórios astronômicos.

Por ter sido construído na ilhota de Faros, toda obra desse tipo passou à ser conhecida por esse nome. Sua forma (uma fogueira sustentada por uma estrutura) se tornou um padrão para todos os faróis até o advento de outras fontes luminosas no séc XVII. O farol de Alexandria também detém o recorde de maior tempo de serviço contínuo (1220 anos). Desmoronou em 1374 após uma série de violentos terremotos. Por tudo isso, o farol de Alexandria é considerado o "pai dos faróis".

Os romanos foram os maiores construtores de “faros” da antiguidade. No ano 40 da era Cristã, o resultado de uma bizarra tentativa de invasão das Ilhas Britânicas pelo imperador Calígula deixou como única ação louvável a construção de um farol em Bononia (atual Boulogne-sur-Mer, na costa francesa) que serviu de modelo para a torre (ainda de pé) construída pelo imperador Cláudio no ano 43 em Dubris (atual Dover, Inglaterra), que serve atualmente para abrigar os sinos da igreja do castelo adjacente. O farol de Boulogne, conhecido como “Turris Ordinis” desmoronou em 1644.

Em La Coruña, na Espanha está o que é considerado o farol mais antigo do mundo ainda em funcionamento, também erguido pelos romanos provavelmente na segunda metade do século I ou nos primeiros anos do século II d. C. Após longo período de abandono e funcionamento intermitente, foi totalmente remodelado pelo arquiteto Eustáquio Gianinni em 1790 e em 2009 se tornou o primeiro farol considerado patrimônio mundial da humanidade pela UNESCO.

Alguns farois da idade Média chegaram aos nossos dias: Hook Head, na Irlanda, data de 1172. Em Gênova (Italia), o farol conhecido como “La Lanterna” tem suas origens em 1128. Nele trabalhou como faroleiro, Antonio Colombo, tio do descobridor das Américas.

Á época do Descobrimento do Brasil, Portugal, a principal potência marítima da época, não tinha nenhum farol.  Em 1528 entrou em operação a torre de São Miguel-O-Anjo, na barra do rio Douro, e somente em 1758 a questão da iluminação da costa portuguesa ganhou a devida atenção, por iniciativa do Marquês de Pombal.

Em 1611 foi finalizada a reconstrução do farol de Cordouan, na França. Esse é o marco á partir do qual os faróis passam da alçada da arquitetura para a da recém-nascida engenharia.