farol pedra do sal

Pedra do Sal

 02 48,22S / 41 43,76W Parnaíba, PI

Lp.B.6seg.15m.10M

 

A tradução do termo indígena Piauí, rio de piaus refere-se ao antigo Rio Grande dos Tapuias, rebatizado de Parnaíba pelo bandeirante Domingos Jorge Velho. Na ilha Grande de Santa Isabel, uma das várias do Delta do Parnaíba, está a praia de Pedra do Sal.

Devido aos inúmeros encalhes e naufrágios que ocorriam na área da foz do rio, a instalação de um farol já vinha sendo estudada desde a criação da Capitania do Porto de Parnaíba em 1855.

Sobre um conjunto de rochedos que acumulam o sal trazido pelas ondas, foi inaugurado em 4 de março de 1873 o primeiro farol do Piauí, integrante de um plano de melhoria da iluminação costeira. O local de assentamento foi escolhido pelo então 1º Tenente da Armada, José Maria do Nascimento Júnior.

Sua torre de ferro octogonal branca de 12,5m foi equipada com um aparelho dióptrico de luz fixa de 4ª ordem. A montagem ficou a cargo do engenheiro piauiense Newton César Burlamaqui. O farol fazia parte de um lote encomendado na Europa pelo engenheiro Zózimo Barroso (ver farol Itapuã). Seu alcance luminoso era de 10 milhas.

A construção de um farol automático AGA na ponta das Canárias (à apenas 6 milhas de distância) fez com que em 1919 Pedra do Sal fosse desativado. Sua lanterna foi desmontada e o terreno, ocupado também por 2 casas, vendido.

Em 1923, atendendo à reinvindicação dos pescadores da região, foi reaceso com uma lanterna AGA à acetileno instalada no alto da antiga torre, que, cinco anos depois, teria suas chapas de ferro substituídas por paredes de alvenaria. O farol Ponta da Canárias foi desligado.

Em 21 de junho de 1973, foi inaugurado um novo farol na ponta das Canárias, e o alcance de Pedra do Sal foi diminuído pela metade (5 milhas), mas restabelecido pouco antes de sua eletrificação em 1987.

Foto: Satie Marina Watanabe